Este é o seu espaço de encontro entre o Mundo Espiritual e o Mundo Material. É a ponte para as dúvidas que muitas vezes pairam entre nós. É a ajuda para solucionar os seus problemas, é a orientação a quem necessita. É a Essência da Vida traduzida em palavras. Por isso, apareça, relaxe, viaje neste espaço e siga o seu coração tirando todas as suas dúvidas.

.

ENVIE A SUA QUESTÃO

 

HORÁRIOS DOS RITUAIS NO TSU

MENU

ACONSELHAMENTO ESPIRITUAL

OS ORIXÁS E O SEU SIGNO

O QUE SÃO ORIXÁS

O QUE É O JOGO DE BUZÍOS

TRADIÇÃO AFRICANA

O SIGNIFICADO DAS VELAS

ENTREVISTAS SAPO ZEN

TEMPLO SAGRADO DE UMBANDA

 

Faça a sua Simpatia

Rituais de Amor e Sexo
Rituais para a Beleza
Rituais para Crianças
Rituais Diversos

 

 

Video

Pai Pedro de Ogum no Facebook

Arquivos

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Posts recentes

Um abraço forte a quem "...

Nova Gira (Ritual) no TSU

NOVO RITUAL DO TSU

Procura-se Médiuns

Honestidade

Festa em Honra de Exu e B...

Protocolos Mágicos

Desenvolvimento Mediunico

Você não deve ser umbandi...

Venha ser FELIZ

BOAS FESTAS A TODOS.

RITUAIS E CAMARINHAS AFRO...

1ª Camarinha - Retiro Esp...

Ébó Kásipàlará - Reconfig...

Globo Repórter mergulha n...

Por que a Vida é asssim ?

Palestra e Ritual - 19 de...

O que esperar de um(a) Bà...

Fotos da Festa de Yemanjá...

Festa em honra do Orixá Y...

Festa em honra do Orixá Y...

Noite Mágica e Esotérica ...

CONVERSAS EM RELIGIÃO

O que é Égbé Awo Omo Ogùn...

Diálogo com e entre as Re...

Reportagem do Jornal de L...

FESTA DE OGUM - QUINTA DO...

FESTA DE OGUM - PORTUGAL

Inauguração do TSU - Leir...

Inaguração do TSU-Leiria

RITUAL DE DESOBSESSÃO

CONSULTAS DE BUZIOS - 201...

TSU - LEIRIA

Iniciação em Ifá

Tertúlia sobre Religiões ...

Tertúlia sobre Religiões ...

A Fé e o Dinheiro, e a Am...

RETIRO ESPIRITUAL

Ritual Yorubá

Oro mimá - Bantos

Novo Peji 2013 - Renovaçã...

PALESTRA DE UMBANDA - DEZ...

Umbanda - Uma Religião Li...

Um dia você aprende que.....

Facebook

As rezadeiras tem remédio...

MENSAGEM DE PAI PEDRO DE ...

PROGRAMA JULÍA PINHEIRO

O poder de escolher

Implantação do Egbé Awo O...

Sábado, 31 de Janeiro de 2009

Umbanda e Biomedicina

 

 
 Nota de Introdução
Por Pai Pedro de Ogum

A Umbanda, mesmo sendo chamada "Senhora da Luz Velada", nos trás sempre grandes desafios para que sempre possamos "andar na LUZ".

A Religião Umbanda é além de uma Religião, é uma forma de vida que nos trás conforto e nos auxilia sempre que necessitamos e nos dá aquela grande confirmação que é realmente sermos aquela pequena centelha que faz parte desse Grandioso Pai, que é Olorum (DEUS).

 

Este Estudo e Pesquisa realizado por Arnelle Gigio-Jacquemot da Universidade de Lille, mostra nos, numa prespectiva de observador independente todo o trabalho espiritual que se realizam nos Terreiros e Centros de Umbanda. 

Concerteza que existem deturpações, falsidades e formas de aproveitamento que não são a regra geral dos Centros de Umbanda que praticam realmente os fundamentos da Umbanda.

 

Por isso, achei interessante vos dar a conhecer este estudo, e espero que possa trazer luz aqueles que o lerem e que de uma outra forma poderem entender melhor esse grande mistério que a Umbanda - A Senhora da Luz Velada.

 

 

Umbanda e Biomedicina
Armelle Giglio-Jacquemot
(Universidade de Lille 3I – GRACC - França)
A expansão da biomedicina pelo mundo deu origem a várias formas de ajustamento com instâncias e sistemas terapêuticos não biomédicos que, localmente instituídos, também propõem suas respostas à infelicidade biológica. Nas sociedades onde estão implantadas, a biomedicina, as medicinas alternativas e as medicinas religiosas se encontram nas fronteiras moventes de suas áreas de intervenção, e esse encontro não deixa, claro, de produzir efeitos sobre cada uma delas.
O intuito de minha comunicação é, considerando o campo altamente diversificado e concorrencial do pluralismo médico brasileiro, examinar a relação da umbanda, religião com forte dimensão terapêutica, com a biomedicina, a partir de dados de campo recolhidos desde 1987 em vários terreiros da cidade e do Estado de São Paulo. Examinarei essa relação sob dois ângulos: um que questiona o posicionamento da religião frente à biomedicina, e o outro que se interessa na interiorização pela umbanda de elementos significativos do universo biomédico.
Para isso, vou centrar minha fala na análise de dois elementos que pertencem ao universo da umbanda: primeiro, a distinção êmica « doença material/ doença espiritual » e, segundo, as cirurgias espirituais.
I. A(s) UMBANDA(s)
A umbanda testemunha, desde suas origens, uma propensão e uma capacidade prodigiosas em igerir e digerir materiais culturais de todo tipo e de toda proveniência. Essa religião absorve a pluralidade que a cerca, e sua abertura ao elemento exógeno não se manifesta somente com as religiões que coexistem no Brasil e que participaram, em diversos graus, de sua constituição (Bastide, 1995). Ela se estende a todas as expressões e atividades da cultura que, de origem religiosa ou profana, ocupam um lugar de destaque no universo umbandista e, especialmente às medicinas e à cura. Com efeito, a doença e seu tratamento desempenham um papel central na umbanda e, para a maioria dos brasileiros que, qualquer que seja seu meio social, freqüentam seus terreiros, ela representa um recurso frente às dificuldades na vida e, notadamente, frente à doença (Camargo, 1961; Montero, 1985; Jacquemot, 1996, 1998).
O caráter polifágico da umbanda se manifesta na sua medicina para a constituição da qual colaboram desde o início, outras instâncias terapêuticas das quais ela absorve e reinterpreta, + ou – profundamente, práticas, objetos, saberes e representações. Entre as mais comuns e significativas, pode-se citar o espiritismo kardecista, os candomblés e o catolicismo popular com os quais a umbanda compartilha uma imbricação comum das dimensões religiosas e terapêuticas e, entre as medicinas não religiosas, a biomedicina e várias formas profanas de medicina popular. Apesar de marcada pela influência desses diversos universos terapêuticos, a medicina umbandista não é identificável a nenhum deles. Ela transforma os elementos incorporados e os submete a reinterpretações que os afastam, às vezes de maneira considerável, de seus universos originais de práticas e significação.
Com as « medicinas-fontes » das quais tira elementos de seu universo terapêutico, a umbanda mantem relações ambivalentes: ao mesmo tempo de proximidade, de complementaridade e de tolerância como é de esperar dessa religiã o profundamente plural ; mas também de oposição e de diferenciação no campo altamente competitivo do pluralismo médico brasileiro. Das relações da umbanda com essas medicinas diferentes, apenas uma vai reter nossa atenção: a que ela mantém com a biomedicina que, firmemente implantada no Brasil beneficia, entre todas, da maior legitimidade social, e que aliás, combateu a umbanda com muita dureza no início (Ortiz, 1978).
II. A DISTINÇÃO DOENÇA MATERIAL/ DOENÇA ESPIRITUAL
É através da distinção que ela estabelece entre « doenças espirituais » e « doenças materiais », que a umbanda delineia a fronteira que separa, da biomedicina, sua esfera de ação e de competência terapêuticas. Sinônimas de « doença material », as expressões « doença do médico », « do homem de branco » apontam explicitamente à identidade do tipo de terapeuta considerado apto a diagnosticar e a tratar as doenças assim denominadas e os terapeutas umbandistas não hesitam em lhe enviar doentes. A competência dos médicos, porém, se limita
às doenças materiais. Acaba aonde começa a da umbanda que se considera a grande especialista das doenças espirituais, doenças que os médicos são incapazes de diagnosticar e curar.
1 - As causas materiais das doenças
O recorte em doenças materiais e doenças espirituais não separa as doenças em função da parte da pessoa que é atingida – seu corpo (« parte material») ou seu espírito (« parte espirtual ») – nem segundo suas manifestações . Nenhuma classificação nosográfica se perfila atrás dessa distinção que, também, não remete à uma oposição entre doenças físicas e mentais.
Na umbanda, o corpo e o espírito estão numa relação demais simbiótica para que a doença atinja um, sem atingir o outro. Interagindo e se interpenetrando, esses dois componentes da pessoa estão implicados em toda doença, quer seja classificada como material ou espiritual.
O recorte é de ordem etiológica. Qualificar uma doença de material ou de espiritual é remetê-la as suas causas. Materiais ou espirituais, essas causas compõem os dois grandes registros do repertório etiológico geral no qual os médiuns se servem para explicar os males de seus pacientes. A doença é abordada como um acontecimento: importa, primeiro, determinar de que causas ele é o efeito, para poder, depois, recorrer ao tratamento e aos terapeutas apropriados.
Na umbanda, a doença é geralmente provocada pela penetração, no corpo, de agentes nefastos que, dotados ou não de intencionalidade, representam o que os fiéis designam com o termo global de « energias negativas ». Esses agentes são materiais ou espirituais (segundo sua proveniência, mundo material ou espiritual) como as razões e os mecanismos que explicam o porque e o como de sua intromissão. A cura de todas as doenças passa, fundamentalmente, pela expulsão das energias negativas que invadiram o doente, e pela sua alimentação em energias positivas que o reforçam e o protegem contra o perigo permanente, que representa para o seu bem-estar e o seu bem-viver, a ação das energias ruins que o cercam. Obviamente, não é sobre as causas espirituais das doenças que os médicos podem fazer valer suas competências, pois neste domínio, a umbanda lhes denega qualquer habilidade : as doenças espirituais não lhes dizem respeito, e não nos interessa aqui examinar suas causas. Bem mais interessante para o nosso propósito é o exame das causas que provocam as doenças materiais, pois é aí que a biomedicina se enxerta na medicina umbandista e contribui à sua explicação das doenças.
Com efeito, é nesse registro de seu repertório etiológico que a umbanda incorpora as causas biológicas, fisiológicas e físicas das doenças. Os males, que a exemplo da biomedicina, são considerados como efeito de um determinismo biofísico, são materiais.
Entre seus agentes mais comuns encontram-se os “micróbios, vírus e bactérias” considerados responsáveis por uma grande variedade de afecções. A umbanda privilegiando, no domínio da causalidade, as representações que conferem uma prioridade à exterioridade patogênica, não é de surpreender que ela conceda a esses agentes os primeiros lugares na explicação das doenças materiais. Eles são, aliás, integrados na categoria mais ampla de « sujeiras » ou « porcarias » que reúne o conjunto dos agentes exógenos identificados a energias negativas do mundo material: os agentes biológicos acima evocados; outros agentes mal definidos contidos no meio ambiente (no ar e na água); e as energias negativas transmitidas pelos seres humanos (geralmente produzidas pelos sentimentos « ruins » que eles sentem circunstancialmente em relação a terceiros). Entretanto, todas essas sujeiras só provocam a doença na medida em que conseguem penetrar num corpo vulnerável, isto é, enfraquecido. Os problemas que provocam remetem diretamente à relação do corpo com o meio físico e social.
2 - Um interesse muito relativo pelas doenças materiais
Isso dito, é importante assinalar que os terapeutas umbandistas muitas vezes não identificam o problema material de seus pacientes e não propõem explicações para este problema. Trata-se de uma diferença importante com as doenças espirituais cujas causas são sempre investigadas de maneira aprofundada. No caso das doenças materiais, os médiuns geralmente se contentam em dizer aos pacientes que o que eles têm é «material » ou ainda « é do calça branca ».
O fato dos médiuns não procurarem as causas das doenças materiais mostra, afinal, seu pequeno interesse para elas. Através da categoria genérica « doença material », a umbanda reconhece sobretudo que todas as doenças não são o efeito de causas espirituais e que existem doenças que são simplesmente o efeito de uma determinismo biofísico. Nesse sentido, quando uma doença é considerada como material pelos médiuns, ela é banalizada. O caráter banal que confere esse diagnóstico, não está relacionado com o grau de gravidade da doença. As doenças materiais são banais na medida em que são simplesmente doenças e não o sinal, a ser decriptado, de outra coisa : elas nunca adquirem a significação de doença-sanção, eleição, resgate ou persecução. Por isso, não tem muito para dizer sobre elas.
3 - Variedade das explicações à doenças materiais
O interesse relativo pela etiologia das doenças materiais pode, paradoxalmente, explicar por que suas causas são tão numerosas e diversas. À diferença das doenças espirituais, a umbanda não se preocupou em elaborar um repertório definido das causas das doenças materiais, nem em codificar suas cadeias etiológicas. No domínio das doenças materiais, os médiuns têm uma grande liberdade de interpretação. Pois, se as causas fisiológicas e biológicas são consideradas como materiais de maneira unânime, os conteúdos das explicações dadas pelos médiuns às doenças apresentam variabilidade e diferença entre si.
Os médiuns utilizam saberes que detêm - menos enquanto iniciados da religião do que enquanto membros de uma sociedade na qual coexistem e se combinam vários tipos de discursos e saberes sobre a doença e o corpo, vários modelos etiológicos e terapêuticos que são diversamente conhecidos, assimilados e utilizados por eles em função de suas experiências individuais das doenças, sua formação e trajetórias, suas origens e meios sociais e culturais. Se os médiuns se encontram em torno de uma mesma concepção da pessoa (composta de uma parte material e uma parte espiritual em relação simbiótica), e se todos eles identificam essa parte material ao corpo físico, ao organismo humano, eles não compartilham as mesmas representações e os mesmos conhecimentos desse corpo e de seu funcionamento, nem das causas e patologias suscetíveis de atingí- lo. Assim, os discursos que produzem sobre as doenças materiais, testemunham sua maior ou menor familiaridade com a linguagem, a abordagem e as práticas da medicina popular e da biomedicina, seu maior ou menor reconhecimento e utilização de uma ou de outra (Jacquemot, 1998). Desse ponto de vista, os enunciados diagnósticos formulados pelos espíritos de muitos médiuns da classe média alta não destoariam num consultório médico.
4 - Supremacia do espiritual sobre o material
Se as doenças materiais e espirituais são nitidamente separadas – quando se é doente, se sofre de uma ou da outra – a causalidade material e espiritual não se excluem. A seqüência causal reconstituída pelos médiuns pode integrar causas que pertencem aos dois registros. No caso das doenças materiais, é na origem que a causalidade espiritual se enxerta e é aí que ela intervem no desencadeamento dessas doenças: à origem material acrescenta-se uma origem espiritual que vem sobredeterminá-la como a origem primeira. Assim, olhando de perto,constata-se que mesmo as doenças materiais, que parecem escapar da lógica de um determinismo espiritual, não são apenas o efeito de causas materiais.
Isso não é surpreendente na medida em que a origem da doença material remete aos fatores que provocam a fraqueza inicial da parte material e explicam sua vulnerabilidade.
Ora, na umbanda, é o espírito que imprime sua força ao corpo e que o protege, e nada de nocivo pode « pegar » em quem tem um espírito forte. Nisso, todas as doenças materiais e espirituais se encontram: o enfraquecimento é sempre, em primeiro lugar, o do espírito e o que acontece ao corpo é, então, determinado, em primeiro lugar, pelo que acontece ao espírito.
5 - Que complementaridade e que partilha?
No entanto, a complementaridade não conflituosa com a biomedicina, que parece garantida pela distinção entre doenças materiais e espirituais, não é tão franca quanto parece. É certo que a biomedicina não está colocada em questão: constantemente presente como sistema de referência, no plano de fundo da triagem das doenças realizada pelos médiuns, sua legitimidade é afirmada e reforçada pela religião. Mas a umbanda se apossa mais do território que ela parece abandonar a biomedicina, do que deixam pensar os discursos de seus terapeutas. Pois se as doenças espirituais são da sua exclusiva competência, ela não delega total e sistematicamente o diagnóstico e o tratamento das doenças materiais aos homens de branco. Seus médiuns, julgados capazes também de identificá- las, cuidam freqüentemente de seu tratamento. A umbanda reconhece, assim, aos médicos uma competência específica, mas não exclusiva, sobre as doenças materiais.
Nesse domínio, a autoridade dos médicos não pode ser absoluta, já que são somente aptos a tratar a vertente material dessas doenças. A vertente espiritual não diz respeito a eles, e apesar de sua importância ser muito minimizada nas doenças materiais, é necessário cuidar da fraqueza do espírito. Para os umbandistas, esse reforço espiritual favorece o sucesso do tratamento biomédico e acelera a cura; também evita as recaídas ou o surgimento de outras doenças às quais o doente fica exposto quando curado apenas dos aspectos materiais da sua doença. Atribuindo uma origem espiritual às doenças materiais, a religião inscreve, então, essas doenças no seu campo terapêutico e estabelece a necessária complementaridade da ação combinada dos médicos e de seus médiuns para a obtenção da cura.
III. MÉDICOS DO ASTRAL E CIRURGIAS ESPIRITUAIS
Antes de terminar, um exemplo merece ser dado da incorporação pela umbanda de elementos significativos do universo biomédico, um exemplo bem significativo da « umbandização » á qual é submetido o biomédico ingerido: trata-se da figura dos próprios médicos que a umbanda integra à lista cumprida de suas entidades, e de uma atividade bem representativa de sua prática, a cirurgia. A umbanda possui uma categoria de espíritos, os « médicos do Astral » ou « médicos espirituais », cujos caráteres estereotipados são manifestadamente emprestados de seus colegas terrenos. Chamados de « Doutores » pelos fiéis, eles são sobretudo presentes, assim como suas cirurgias, nos terreiros marcados pela influência do Kardecismo.
Especialistas em « medicina astral », esses desencarnados eram, em vida, médicos e muitas vezes seus médiuns exercem uma profissão médica ou paramédica. Como os outros espíritos da umbanda, eles descem para « trabalhar » e suas consultas, ditas « médicas », são explicitamente ligadas às dos « médicos da Terra » que geralmente completam. Uma de suas importantes tarefas, é de ajudar os doentes a entender o que lhes dizem os médicos. Os consulentes repetem as suas falas, levam receitas e resultados de exame no intuito de obter esclarecimentos. Querem seu palpite sobre os diagnósticos enunciados e os tratamentos prescritos. Os doutores espirituais às vezes receitam « remédios da farmácia », e geralmente instigam seus pacientes, e até com bastante firmeza, a ir nos médicos da Terra e a seguir seus tratamentos. A ação e o papel desses espíritos são, então, geralmente encarados como complementares aos dos médicos: depois de terem visto os primeiros, os doentes podem ir (ou voltar) nos segundos que saberão curá- los.
Já não se pode dizer o mesmo desses médicos do Astral que, especialistas em cirurgia,realizam « cirurgias espirituais » ou « mediúnicas » consideradas como superiores e substituíveis às operações ditas «de hospital ». Adeptos ou simples freqüentadores, numerosas são as pessoas que contam ter sido operadas espiritualmente com sucesso « da vesícula », « de úlceras », « da coluna », « da garganta », « do joelho », « de hérnias », « dos olhos », « de pedras no rins », de « tumores no cérebro », « no seio », etc. Se dar ouvido a eles, nada é impossível a esses cirurgiões que se libertaram das limitações da matéria.Aonde se manifestam, esses espíritos muitas vezes têm como atributo um material de trabalho composto de algodão, de éter (para « anestesiar » o lugar a ser operado), de álcool (para « desinfetar » antes e depois da intervenção) e de instrumentos cortantes e pontudos,facas de cozinha, punhais, tesouras, pregos. Usam também, às vezes, de um lençol branco com o qual recobrem o corpo do futuro operado ou, ainda, de panos brancos com os quais delimitam a área a ser operada, como um campo operatório. « É como se fosse no médico, mas é diferente », dizem os que passaram por essa experiência. De fato, com seus instrumentos, ou simplesmente com suas mãos, os médicos do Espaço praticam incisões que não são visíveis: simulando o ato de cortar, recortar, picar, eles dão leves pancadas com as lâminas e pontas nas regiões a serem operadas. Como o algodão, o álcool e o éter, seus objetos cortantes fazem o papel de acessórios numa representação inspirada no modelo da cirurgia biomédica.
Segundo os operados e os médiuns que recebem esses espíritos, o que os cirurgiões do Astral executam na superfície do corpo é o que lhe fazem dentro. Sim, eles cortam mas seus « cortes » são como a cirurgia que praticam: são espirituais e não apresentam, então, a materialidade das incisões da cirurgia terrestre. É nisso, aliás, que se expressa sua superioridade. É também o que garante seu sucesso com os consulentes pois suas operações são isentas de tudo que eles temem no ato cirúrgico médico : « não tem sangue », « não sai sangue », « não abre », « não tem risco », « não dói », « depois, a gente se sente bem », insistem os operados. Os cirurgiões espirituais operam com sua « força », muitas vezes comparada com um « raio laser » que sai de suas mãos e penetra nos corpos. Uma vez a intervenção terminada, os doentes voltam para a casa com a recomendação de descansar e de parar de trabalhar durante um período variável. Às vezes, o Doutor pede para eles tomarem chás e também medicamentos, geralmente anti-inflamatórios e antibióticos. Os operados associam intimamente a cura do mal com a desaparição física do elemento do corpo no qual ele se alojou, tirado pelo espírito. O que a cirurgia espiritual guarda da cirurgia biomédica e lhe empresta, é a idéia e o ato de ablação, isto é, um tipo peculiar de intervenção sobre o mal que engaja as mesmas representações da cura que as outras práticas subtrativas do capital terapêutica umbandista. Aqui também a ação terapêutica consiste em tirar alguma coisa. No entanto, os cirurgiões espirituais nunca mostram o que dizem ter tirado, mesmo sob a forma de um objeto simbólico. A realidade da subtração é admitida mesmo que o elemento físico, tido como « tirado », não tenha sido concretamente dado a ver. O que, na cirurgia espiritual, aparece como a prova tangível da verdade das representações subtrativas, são as cicatrizes internas, pretendidamente constatadas pelos médicos, e as marcas externas que, às vezes, deixam  momentaneamente, e que são vistas como os sinais manifestos da intervenção. A metáfora cirúrgica também comanda as sensações dos operados que dizem perceber que « alguma coisa está acontecendo », que « se corta por dentro » como « com uma navalha ».
IV. CONCLUSÃO
Doenças materiais e doenças espirituais, micróbios e energias negativas, homens de branco e casais médiuns /espíritos curandeiros, médicos da terra e doutores do além, remédios da farmácia e remédios de ervas, cirurgias de hospital e cirurgias mediúnicas, os pontos de encontro da umbanda com a biomedicina são numerosos tanto dentro de seu universo – no que diz respeito aos materiais biomédicos (ou de inspiração biomédica) que ela importa e umbandiza de maneira durável – quanto fora, através das condutas de recursos plurais que sua medicina - pouco
exclusiva - permite e até incentiva. Os terreiros de umbanda são um viveiro fecundo para a edificação de uma pluralidade – das etiologias, dos terapeutas, das práticas e condutas terapêuticas – que se declina sob figuras múltiplas. Esta pluralidade é, aliás, especialmente ativada frente as doenças materiais, para a cura das quais o que prevalece não é a atribuição de um sentido ao mal (diferentemente das doenças espirituais) mas uma resposta pragmática de cuidados que autoriza o recurso a tudo que é suscetível de aumentar a eficiência da ação contra o mal, até o que oferecem outras medicinas e notadamente a dos homens de branco, cujo monopólio é contestado mas a eficácia altamente reconhecida.
Os grandes arquitetos dessa pluralidade são os donos de terreiros e seus médiuns que fecundam a medicina umbandista com suas respectivas contribuições. Fornecedores de diagnósticos e de tratamentos, conselheiros espirituais tanto quanto terapêuticos guiando seus consulentes na busca de um melhor-estar e um melhor-viver, eles mobilizam e combinam conhecimentos, práticas e possibilidades de recursos oriundos dos universos médicos, profanos e religiosos, aos quais têm (tiveram) acesso e dos quais foram acumulando e incorporarando, elementos explicativos e terapêuticos. Os terapeutas umbandistas representam a máxima expressão do que Jean Benoist chama de « passeur culturel », designando por esse termo os terapeutas que « construidores de um pluralismo que abrange o que parece a outros contradições », « vão-e-vem entre as várias fontes de conhecimentos dos quais dispõem » e « pulam, sem tomar cuidado, a s fronteiras entre técnicas ou entre teorias e elaboram no dia-a-dia as práticas híbridas » (1996: 12-13. A tradução é minha). O próprio percurso que leva esses indivíduos a se tornar médiuns-terapeutas os prepara, muito bem, para o papel de « passeur culturel ». Pois eles são geralmente antigos doentes que se tornaram médiuns no final de buscas pela cura geralmente longas e penosas, nas quais exploraram e combinaram com esperanças e pragmatismo numerosos recursos, transpassando primeiro por sua conta própria - e não sem reticências - muitas barreiras intelectuais, sociais e culturais colocadas entre as medicinas.
BIBLIOGRAPHIE
BASTIDE R., 1995, Les religions africaines au Brésil : vers une sociologie des interpénétrations de civilisations, Paris, PUF.
BENOIST J., 1996, « Singularités au pluriel ? », in J. BENOIST, Eds, Soigner au pluriel, Paris, Karthala, pp. 5-16.
CAMARGO C.P.F. (de), 1961, Kardecismo e umbanda, São Paulo, Livraria Pioneira.
JACQUEMOT A., 1996, « L'umbanda et ses malades dans le champ médical brésilien », in J.
BENOIST, Eds, Soigner au pluriel, Paris, Karthala, pp. 143-170.
_______________, 1998, Guides et Médiums au secours des Hommes - Etude des représentations et des pratiques liées à la maladie et à son traitement dans l’umbanda à São Paulo (Brésil), Lille, ANRT.
MONTERO P., 1985, Da doença à desordem. A magia na Umbanda, Rio de Janeiro, Ed. Graal.
ORTIZ R., 1978, A morte branca do feiticeiro negro, Petrópolis, Ed. Vozes.

 

publicado por Pai Pedro de Ogum às 17:29
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009

OS ESPÍRITOS DA NATUREZA

 

 

Os Elementais são Entidades Espirituais, relacionadas com os elementos da natureza, onde realizam desempenhos muito importantes, essenciais mesmo, à totalidade da vida natural, pois que, através das ditas Entidades, nos são oferecidos: ervas, flores, frutos, oxigênio, água e tudo o mais que o ser encarnado denomina de Forças da Natureza.
São Entidades gerando, ordenando e dirigindo na natureza, suas manifestações peculiares e trabalhando dentro de uma linha evolutiva, diferente da dos seres encarnados. Podem ser percebidos pelo homem em certos estados de consciência, porém, pelos chamados irracionais, são notados e vistos com a maior naturalidade e a amiúde.
Pertencem ao grupamento de espíritos que não tiveram, nem terão, vida material, situando-se numa escala evolutiva Angelical.
À eles, cabe realizar a evolução da vida e da forma em nosso planeta. Acima dos Elementais, DEVAS MAIORES, estão os chamados Anjos e Arcanjos, e a escala se prolonga, até que cheguemos aos espíritos comandantes da natureza, OS ORIXÁS.
Os Elementais são constituídos de LUZ - ou um tênue material auto luminoso e sua forma é na apresentação, semelhante à humana. As variações de consciência evolutiva e deveres cumpridos, produzem mudanças na coloração da luminosidade e até interfere na própria forma.
Nas épocas da germinação, crescimento e desenvolvimento, a vitalidade e atividade destas entidades aumentam o seu contato direto com o mundo físico, e é quando se tornam mais visíveis, dançando, brincando e até de certa forma, imitando os seres encarnados.
Eles se agrupam sob o comando dos ORIXÁS da seguinte forma:

 

SILFOS - ELEMENTAIS DO AR: São entidades de pequena estatura, de poderes mágicos, que os diferem dos outros espíritos da natureza, por serem de uma constituição sem forma definida, uma massa semi sólida de substância etérea. Exemplo: Fumaça, efeitos de luz ,através dos pirilampos, Aurora Boreal, arco-íris, etc...
Altura + / - 10 cm

ONDINAS ou NINFAS - ELEMENTAIS DA ÁGUA: São entidade do amor, que vivem nas águas do mar, lagos, lagoas, rios e cachoeiras, semelhantes as graciosas mocinhas de cabelos longos. Comandam toda a fauna aquática e podem encaixar (incorporar) na forma de sereias, dragões, serpentes marinhas, gaivotas, etc...
Altura + / - 30 cm

FADAS - ELEMENTAIS ECLÉTICOS: São entidades voláteis, que atuam em todos os reinos da natureza, segundo à necessidade ou ordens recebidas. Apresentam-se muito belas e esvoaçantes em fascinantes evoluções, interferindo na coloração e matiz de tudo que existe no planeta.
Altura + / - 30 cm

SALAMANDRAS - ELEMENTAIS DO FOGO: São entidades diretas do fogo, que não possuem forma definida. Têm-se, quando as vemos, a impressão de uma forma fundamentalmente humana, o rosto, quando não é velado pelas chamas, é de aparência humana, mas a maior parte das vezes, apresentam-se na forma de lagartixas, camaleões ou escorpiões.
Altura + / - 70 a 90 cm

ELFOS - ELEMENTAIS DOS METAIS: São entidades em muito semelhante aos SILFOS, sem forma corpórea definida, pois aparecem, da combinação do Ar e do Fogo sobre os metais. Por serem elementais belicosos, atuam amiúde através de cães, gatos e galos de briga.
Altura + / - 20 cm

GNOMOS ou DUENDES - ELEMENTAIS DAS FLORESTAS: São entidades que habitam as florestas e lugares desertos. Têm a forma semelhante à de um anão e atuam sobre tudo e sobre todos os que habitam ou transitam nas matas e florestas, dando sinais através de: Bicho de Pau, cobras e aves como a Graúna, Melro e semelhantes.
Altura + / - de 15 a 20 cm

AVISSAIS - ELEMENTAIS DA TERRA: São entidades que entrelaçam os elementos da terra e da água, apresentam-se em massa disforme, porém bem densa e atuam principalmente sobre:

 

a)      Na água: Cavalos Marinhos, peixes-espada, Camarões e crustáceos em geral, pois são seres que se alimentam do lodo aquático.

b)     
b) Na terra: Minhocas, lesmas, caramujos e semelhantes, pois são seres que se alimentam da umidade do lodo da terra.

publicado por Pai Pedro de Ogum às 15:15
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

Umbanda e a Opção Sexual

 

 

Vamos tratar de assuntos de grande importância para o nosso estudo a cerca da espiritualidade e formação religiosa de Umbanda, que é a natureza ancestral do ser, masculina ou feminina e a opção sexual de cada um.

Sim, falar sobre natureza e opção sexual já não é mais um tabu, algo que não possa ser discutido entre nós, precisamos sim esclarecer algumas questões, que são debatidas e convividas todos os dias.
Não cabe mais nos dias de hoje um preconceito quanto à opção sexual de cada um. Os mentores de Umbanda conhecem a fundo as questões da natureza sexual e instintos naturais do ser humano, desconhecidos no meio dos cultos "dogmáticos - intolerantes", ignorantes da genealogia espiritual e da psicologia humana, que estuda mais a fundo o comportamento do homem e suas causas no mundo material.
Ouviremos ainda os inquisidores de ontem, hoje reencarnados, dizerem que isso, a liberdade de opção sexual, é coisa do "tinhoso", "do demo", "do capeta", esquecendo que luz e trevas estão em nossa mente e na maneira como lidamos com nosso semelhante, com Amor ou Desamor. Ao que sabemos Jesus não condenava as pessoas, indo inclusive contra a lei segundo o velho testamento, "quem nunca pecou que atire a primeira pedra", mas, antes os compreendia e auxiliava.
O que não pode haver é uma marginalização religiosa que pode até vir a alimentar um futuro desequilíbrio. Opção sexual não é crime, o que tem de ser evitado é o vicio no sétimo sentido da vida, um dos mais sublimes pelo qual o criador nos deu o dom de gerar, vida e energias.
E Ter este sentido viciado nada têm a ver com a opção, portanto independente dela, deve haver respeito da comunidade para com o indivíduo e do indivíduo para com a comunidade, sempre levando em conta o bom senso e a moral de cada um. Falamos assim porque nosso intuito é esclarecer a comunidade sem abrir brechas para comportamentos desrespeitosos. Existem hoje muitas denuncias de comportamento que chega ao absurdo do atentado ao pudor e este sim deve ser tratado com o rigor da lei e sempre denunciado, pois, nada tem a ver com religião. O que já não implica em opção sexual ou natureza espiritual acontece todos os dias e os oportunistas de plantão se servem de nossa religião e de nossas falhas em apresentá-la à sociedade para cometerem crimes em nossos nomes, aqui voltamos aquele nosso chavão: ISTO NÃO É UMBANDA! Quanto à natureza do ser, não há nada pior que usar o Orixá ou o guia como bode expiatório para justificar seu comportamento.
Por exemplo, Logunedé, filho de Oxossi com Oxum é visto por nós na Umbanda como um intermediário entre estes dois orixás, portanto fruto deste "entrecruzamento", o que podemos chamar de um Oxossi do Amor, natureza vegetal masculina voltada ao campo do Amor. Oxumaré fazendo par com Oxum, na Segunda linha de Umbanda, é o renovador no campo amoroso, amparando aqueles que têm frustrações neste sentido, trazendo mais cores e alegria a suas vidas. Ambos são Orixás, um masculino e outro femenino todos os meses do ano. E mesmo que não fosse nada tem a ver com o comportamento do médium, assim como uma mulher não se torna masculinizada por incorporar um guia ou Orixá masculino o homem também não se torna afeminado por incorporar guia ou Orixá feminino.
O que existe é um preconceito social e desconforto individual do médium incorporante, que também não deve ser exposto em uma situação que o exponha, guias vêm para trabalhar e não para chamar a tenção, pois, assistência não é platéia. Homens podem Ter como Orixá de frente uma Mãe Orixá e mulheres podem Ter um Pai Orixá de frente que em nada desequilibra seu comportamento, nem influencia em suas opções.
O estudo correto está no campo da natureza masculina e feminina que carregamos e claro de alguns desvios em outros casos. Quando somos gerados por Deus e enviados para o plano fatoral, recebemos uma natureza ancestral masculina ou feminina, doada por nosso Orixá Ancestral Dominante que junto ao ancestral Recessivo formam o casal ancestral.
Confira esta mesma afirmação, sobre nossa natureza masculina ou feminina, nas obras de Chico Xavier por André Luiz: No livro "Evolução em dois Mundos" - Pg.141 - Origem do Instinto Sexual: - Todas as nossas referências a semelhantes peças do trabalho biológico, nos reinos da Natureza, objetivam simplesmente demonstrar que, além da trama de recursos somáticos, a alma guarda sua individualidade sexual intrínseca (intocável), a definir-se na feminilidade ou na masculinidade, conforme os característicos acentuadamente passivos ou claramente ativos que lhe sejam próprios. A sede real do sexo não se acha, dessa maneira, no veiculo físico (corpo físico), mas sim na entidade espiritual (espírito), em sua estrutura complexa. No livro "No mundo maior", Pg.156 e 157: A sede do sexo não se acha no corpo grosseiro, mas na alma, em sua sublime organização. Na esfera da crosta terrestre, distinguem-se homens e mulheres segundo sinais orgânicos, específicos.Entre nós prepondera ainda o jogo das recordações da existência terrena, em trânsito, como nos achamos, para as regiões mais altas; nestas sabemos, porém, que feminilidade e masculinidade constituem característicos das almas acentuadamente passivas ou francamente ativas.
 Recorro a estas afirmações pela incontestável veracidade das comunicações do saudoso irmão Chico Xavier que dispensam qualquer comentário, as palavras são muito claras em afirmar da natureza do espírito, podendo reencarnar em corpo "trocado" ou não afim com esta natureza ancestral. Desta forma entendemos que um ser é naturalmente masculino ou feminino.
Vale ressaltar que um ser masculino na maioria das vezes terá encarnações masculinas o mesmo vale para o ser feminino. Confira no livro "Ação e Reação" – Chico Xavier – André Luiz, Pg.209: Contudo, em muitas ocasiões, quando o homem tiraniza a mulher, furtando-lhe os direitos e cometendo abusos, em nome de sua pretensa superioridade, desorganiza-se ele próprio a tal ponto que, inconsciente e desequilibrado, é conduzido pelos agentes da Lei Divina a renascimento doloroso, em corpo feminino, para que, no extremo desconforto intimo, aprenda a venerar na mulher sua irmã e companheira, filha e mãe, diante de Deus, ocorrendo idêntica situação a mulher criminosa que, depois de arrastar o homem a devassidão e a delinqüência, cria para si mesma terrível alienação mental para além do sepulcro, requisitando quase sempre, a internação em corpo masculino, a fim de que, nas teias do infortúnio de sua emotividade, saiba edificar no seu ser o respeito que deve ao homem, perante o senhor.
Nessa definição, porém, não incluímos os grandes corações e os belos caracteres que, em muitas circunstâncias, reencarnam em corpos que lhes não correspondem aos mais recônditos sentimentos, posição solicitada por eles próprios, no intuito de operarem com mais segurança e valor, não só o acrisolamento moral de si mesmos, como também a execução de tarefas especializadas, através de estágios perigosos de solidão, em favor do campo social terrestre que se lhes vale a renúncia construtiva para acelerar o passo no entendimento da vida e no progresso espiritual. Mais uma elucidação sobre as encarnações.
Muito bem, fica claro então e em ocasiões de extrema importância é que o espírito encarna em corpo diferente de sua natureza e neste caso o espírito se prepara por muito tempo para esta missão, onde ele viverá em corpo diferente de sua natureza.
 Por expiação, portanto dolorosa, ou por missão, em alto grau evolutivo e abnegado. O que explica alguns casos que a psicologia e a sociologia vem estudando como comportamento humano e que para a maioria de nós se resume em "opções", que nem sempre são escolhas, mas apenas o cumprimento de uma natureza "lotada" na matéria. Não cabe a nós ditar normas, apenas respeitar e esperar o mesmo respeito em âmbito social e mais especificamente no religioso.
No campo das energias, a mulher tem um tipo de energia e o homem outro tipo, é naturalmente necessário à troca energética, para equilíbrio. Por isso as relações vão além do procriar, cumprem um papel no equilibrar e isto está ligado á natureza e ao corpo que carregamos.
O importante é o sentimento de carinho e amor, para que a energia flua. Por isso não se deve se relacionar só por necessidades fisiológicas. Espero que eu tenha contribuído um pouco para o entendimento espiritual desta questão que tanto nos importa a todos. Peço aos pais e mães que observem desde a infância, a natureza e os valores espirituais, sempre os aplicando com ética, bom senso e principalmente Amor. Estudemos irmãos, para não cairmos nas trevas da ignorância. Um forte abraço!
Fonte: Rodrigo Queiroz.

 

publicado por Pai Pedro de Ogum às 09:18
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 2 de Janeiro de 2009

Entender a Umbanda

 

Leiam e Reflitam


O mundo tem como verdades que:

1. A LUZ é o oposto das TREVAS, que o Alto é o oposto do que está Embaixo, assim como o Bem é oposto do Mal;
2. Que religião é a manifestação da crença na existência de forças superiores divinas, consideradas como o Alto, a Luz, o Bem, por meio de doutrina e ritual próprios, que envolvem princípios éticos, prestando a essas forças superiores divinas o culto que lhe é devido;
3. Quem serve a LUZ é considerado pelas TREVAS como um inimigo;
4. Não é possível que alguma religião seja sustentada ao mesmo tempo pelo Alto e pelo Embaixo.
5. Não é coerente o indivíduo que pensa que em um sistema religioso possa se prestar culto ao ALTO e ao EMBAIXO, servindo a LUZ e as TREVAS ao mesmo tempo.

Sabemos que Umbanda é uma religião e como tal é sustentada pelo ALTO, pela LUZ para a prática do BEM. Logo, é mais do que certo que as suas linhas de trabalho são manifestadoras das Qualidades de Deus, trabalhando, única e exclusivamente, para o bem e para a evolução dos seres, não se portando em nenhum momento de modo a contradizer os seus princípios religiosos.
Portanto, não é coerente pensarmos que possa existir alguma linha de trabalho de Umbanda que não obedeça aos fundamentos da religião.

Sabemos, também, que Exu e Pombagira são os nomes de duas linhas de trabalho muito conhecidas da religião Umbanda e não sò pelos umbandistas. Como linhas de trabalho obedecem, sem qualquer tipo de exceção, a todos os princípios da religião e do que se entende por religião.

Portanto, servem à LUZ e jamais às TREVAS, praticando sempre o BEM e nunca o MAL.

 

ASSIM, SE ALGUÉM PENSA DE MANEIRA DIFERENTE, POUCO OU NADA ENTENDE DE UMBANDA.


Não se deve confundir, jamais, o meio que Exu e Pombagira actuam como sendo o meio ao qual servem. Eles actuam nas TREVAS, sempre sustentados pela LUZ e na busca dos caminhos de LUZ para aqueles que merecem ser resgatados das TREVAS. E TÃO SOMENTE ISSO. SE FOSSE DE OUTRA FORMA SERIA UM CONTRA-SENSO RELIGIOSO.

NÃO SE DEVE CONFUNDIR UM EXÚ OU UMA POMBAGIRA, VERDADEIROS TRABALHADORES DE UMBANDA, COM EGUNS FORA DA LEI, KIUMBAS, OBSSESSORES, SERES DO BAIXO ASTRAL - OS HABITANTES DAS FAIXAS SOMBRIAS, DAS TREVAS – E QUE MUITAS VEZES SE APRESENTAM COM O NOME DELES POR NOSSA PRÓPRIA CULPA , POIS TUDO QUE ESTÁ A
NOSSA ESQUERDA, TEMOS O PÉSSIMO HÁBITO DE CHAMAR DE EXÚ E POMBAGIRA.


Confundi-los com seres trevosos é admitir um contra-senso religioso: "TER O BEM E O MAL SENDO CULTUADOS AO MESMO TEMPO EM UMA RELIGIÃO".

APÓS ESSA ARGUMENTAÇÃO, FICAM DUAS QUESTÕES PARA REFLEXÃO:

VOCÊ, QUE SE DIZ MÉDIUM DE UMBANDA, E ACHA QUE TUDO ISSO NÃO ESTÁ CORRETO,
ENTÃO ESTÁ DELIBERADAMENTE ACEITANDO SER INCORPORADO POR UM SER PERTENCENTE ÀS TREVAS E SE DISPONDO A SERVIR O MAL? .

NÃO SERÁ POR INCOMPREENSÃO DOS NOSSOS FUNDAMENTOS RELIGIOSOS QUE TANTAS PESSOAS VENHAM AOS NOSSOS TEMPLOS PEDIR TUDO AQUILO QUE NÃO TEM CORAGEM DE FAZÊ-LO EM SEUS TEMPLOS?

CABE-NOS A NÓS COMO UMBANDISTAS ESCLARECERMOS OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A NOSSA RELIGIÃO, E AFIRMAR A TODOS OS CANTOS QUE NÃO ACEITAMOS EM NOSSOS TEMPLOS,
DE MANEIRA NENHUMA, AQUELES QUE BUSCAM-NA PARA SITUAÇÕES LEVIANAS. 

publicado por Pai Pedro de Ogum às 10:03
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Pai Pedro de Ogum

Babalorixá

O Pai Pedro de Ogum é o Dirigente Espiritual do Templo Sagrado de Umbanda, com Ordem de Ifá (Leitura de Buzíos), Pai Pedro de Ogum desenvolve actualmente um trabalho de organização e implementação da FEUCA - Federação Europeia de Umbanda e Cultos Afro, além do trabalho de divulgação dos fundamentos da Umbanda, ao efectuar Palestras e Workshops em prol de uma boa informação sobre o que é a Umbanda e os Cultos Afro.




CONTACTO

Telf: 21 1806408

Telf: 91 89 89 500.
Site oficial: www.temploextauxry.com


Fale com Pai Pedro de Ogum

paipedrodeogum@sapo.pt


CONSULTAS
Jogo de Buzios
Tarot dos Orixás
Aconselhamento Espiritual

Marque a sua CONSULTA:

Telf: 21 1806408

Telf: 91 89 89 500.




TEMPLO SAGRADO DE UMBANDA
Rua Pero Escobar - Lote 2989
2975-393 Quinta do Conde - Sesimbra
Telefone: 21 1806408 / 91 89 89 500

Pesquisa

 

Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Tags

todas as tags

Subscrever feeds

blogs SAPO